Os desafios da gestão de pessoas

A visão de que as pessoas são o ativo mais importante das empresas há algum tempo vem ganhando notoriedade nas esferas acadêmica e empresarial. Algumas organizações perceberam que investir em pessoas pode proporcionar uma grande vantagem competitiva perante seus concorrentes.


Em muitas empresas, a área de gestão de capital humano tem apresentado uma grande evolução em suas políticas e práticas, deixando de ser apenas o órgão que seleciona, treina e mantém pessoas, para se tornar uma área estratégica. As organizações perceberam que a fonte de vantagem competitiva não poderia mais ser procurada apenas externamente, e sim, dentro do seu ambiente organizacional.

Essa percepção ocorre porque vantagens advindas do capital financeiro, tecnológico e de recursos naturais são mais facilmente copiadas do que práticas e políticas de gestão de pessoas e principalmente, seu resultado.

Apesar de termos um grande número de empresas que se preocupam de fato com seus colaboradores, ainda hoje, encontramos organizações que gerem pessoas como se estivessem no início do século passado, onde a relação com o empregado era quase que escravocrata. Empresas que veem seus colaboradores apenas como um custo organizacional, em pouco tempo, não terão mais espaço nesse mercado cada vez mais competitivo.

Um dos fatores que diferencia organizações de sucesso daquelas que não conseguem crescer e se desenvolver, é o cuidado que as primeiras têm com seu ativo mais importante: as pessoas. A área de gestão de capital humano precisa se preocupar com o todo, fornecendo aos indivíduos, além de bons salários, um bom ambiente de trabalho, um plano de carreira bem estruturado, bons benefícios, qualidade de vida no trabalho, higiene e segurança, programas de treinamento e desenvolvimento. E o mais importante: todas estas ações devem ser claras e transparentes. As pessoas devem saber o que será exigido delas, como elas serão recompensadas e o que precisam fazer para poder crescer dentro da empresa e em suas carreiras.

As políticas e práticas de gestão de pessoas são tão importantes para as empresas e para os colaboradores, que empresas presentes nos rankings das melhores para se trabalhar de todo o mundo são aquelas que conseguem atrelar boas práticas de gestão de pessoas à estratégia organizacional.

Com a oferta de mão de obra qualificada cada vez mais escassa no Brasil, é mais do que hora de repensar a gestão de pessoas de nossas empresas. Se as organizações quiserem possuir os melhores funcionários terão que estar preparadas para oferecer uma estrutura capaz de atender às necessidades desses indivíduos. Portanto, o desafio é desenvolver e implementar uma gestão estratégica de pessoas através de um conjunto de políticas e práticas consistentes, que facilite que o capital humano contribua para o alcance dos objetivos do negócio.

Cabe ressaltar que programas de treinamento, planos de remuneração variável, programas de recrutamento e seleção, pacote de benefícios, plano de carreira, entre outros, se desenvolvidos de forma isolada e desalinhada com a estratégia organizacional, não trarão o mesmo resultado observado nas empresas que possuem a área de gestão de pessoas bem estruturada e capaz de programar todas as suas políticas e práticas de acordo com a estratégia central da empresa.

Fonte: Imovelmagazine.com.br
Por Cristian Kim - CEO & Partner da Beyond.